É proibida a entrada a quem não andar espantado de existir.
.posts recentes

. Mais outra sugestão music...

. Sugestões musicais

. Sugestão musical

. São quatro anos, afinal

. Não existo.

. Vicky Cristina Barcelona:...

. Momentos de felicidade

. uma sugestão para ler

. EU VOU!!!

. Kafka

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Junho 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Setembro 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.pesquisar
 
.Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
.tags

. todas as tags

Quarta-feira, 14 de Julho de 2004
Uma boa notícia
Cerveja previne enfartes cardíacos e não engorda, diz especialista

A cerveja, consumida regular e moderadamente, ajuda a proteger contra as doenças cardíacas e não é responsável pela famosa barriga que normalmente lhe é associada, revelam dois estudos conduzidos pelo especialista britânico Martin Bobak, divulgados esta quarta-feira em Lisboa.
Os estudos, realizados por uma equipa de investigadores do departamento de Epidemiologia e Saúde Pública da University College de Londres e publicados no British Medical Journal e no European Journal of Clinical Nutrition, revelam que mesmo os consumidores moderados com antecedentes de doença cardíaca têm menos probabilidades de sofrer um enfarte que os abstémios.
A investigação mostra que o risco de doença cardíaca «é significativamente menor» para aqueles que bebem álcool moderadamente do que para os que não consomem bebidas alcoólicas, disse o especialista, alertando, todavia, que a partir de um nível mais elevado de consumo o efectivo preventivo do álcool deixa de se manifestar e passa a implicar malefícios a outros níveis. Bobak, que dirigiu o estudo na República Checa, onde o consumo de cerveja é generalizado, analisou um universo de indivíduos entre os 45 e os 64 anos, o segmento etário com mais probabilidades de ocorrência de enfarte de miocárdio.
Os resultados mostram que a probabilidade de enfarte diminui à medida que o consumo de cerveja aumenta até uma cerveja por dia, mas quando o consumo médio é de duas cervejas diárias o risco de enfarte é quase tão grande como entre as pessoas que não consomem cerveja.
Bobak atribui a protecção em relação aos enfartes de miocárdio ao próprio etanol (álcool) e não a outros elementos existentes na cerveja.
Um outro estudo conduzido por Bobak na República Checa revela que não há relação entre o consumo de cerveja - uma cerveja tem 45 calorias - e a obesidade, sendo que no caso das mulheres bebedoras de cerveja até se notam valores de obesidade inferiores aos das abstémicas. No entanto, o especialista preferiu não relacionar um factor com o outro, sublinhando serem necessários estudos mais aprofundados.
Bobak argumenta que a famosa «barriga de cerveja» é devida à ingestão de determinado tipo de alimentos como salgadinhos, batatas fritas e outros e não à cerveja propriamente dita, tudo associado a um estilo de vida sedentário.
Na sessão de divulgação dos estudos esteve presente Manuel Rocha de Melo, da Faculdade de Ciências da Alimentação e Nutrição da Faculdade do Porto, que apresentou um outro trabalho concluindo que a cerveja, se consumida de forma moderada, constitui «um óptimo complemento numa dieta saudável».
A cerveja, constituída por água, malte de cevada, outros cereais (maltados ou não) e lúpulo contém mais de 400 compostos que contribuem para a diminuição de incidência de doenças coronárias, prevenção de diabetes do tipo 2 ao reduzir os níveis de insulina e diminuição da incidência do cancro do colon e da diverticuloso, ao possuir quantidades consideráveis de fibra solúvel, disse.
Rocha de Melo apontou ainda um dos grandes benefícios da cerveja, a prevenção da osteoporose, ao ser o alimento que contém maiores quantidades de silício, associado ao aumento da densidade mineral óssea. No entanto advertiu também para a necessidade de moderação no consumo, a qual situou nos homens em meio litro por dia, enquanto nas mulheres o limite baixa para um quarto de litro/dia.
publicado por ladoc às 18:53
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De manms a 16 de Julho de 2004 às 18:33
Acho que bom, bom, é com caracóis!
De Rita a 15 de Julho de 2004 às 10:30
A palavra chave aqui sendo "moderadamente".

Comentar post

blogs SAPO
.subscrever feeds