É proibida a entrada a quem não andar espantado de existir.
.posts recentes

. Mais outra sugestão music...

. Sugestões musicais

. Sugestão musical

. São quatro anos, afinal

. Não existo.

. Vicky Cristina Barcelona:...

. Momentos de felicidade

. uma sugestão para ler

. EU VOU!!!

. Kafka

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Junho 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Setembro 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.pesquisar
 
.Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
.tags

. todas as tags

Terça-feira, 28 de Março de 2006
Barcelona, cidade glutona
IMG_0612.jpg

É uma cidade que nos encanta, que fascina com tantas novas experiências e gentes. Mas é justamente quando pensamos estar a começar a saboreá-la que ela nos engole.
publicado por ladoc às 00:06
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 20 de Março de 2006
Três anos depois

 

Iraque: Durão agiu com base em informações não confirmadas

 

Três anos depois de ter apoiado a guerra no Iraque, o antigo primeiro-ministro português e actual presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, declarou hoje ter agido com base em informações «que não foram confirmadas».

«A decisão que tomei, e que muitos governos tomaram, foi baseada em informações que tínhamos recebido e que, depois, não foram confirmadas: que havia armas de destruição maciça» no Iraque, disse Barroso no programa «Le Grand Jury» LCI-RTL-Le Fígaro.

«Tínhamos documentos que nos foram dados. Foi com base nessas informações que tomámos aquela decisão«, referiu.

Então chefe do governo português, Barroso acolheu para uma cimeira nos Açores, a 16 de Março de 2003, quatro dias antes do começo da intervenção no Iraque, o presidente norte-americano, George W. Bush, e os primeiros-ministros britânico, Tony Blair, e espanhol, José Maria Aznar.

«A História fará o balanço - ponderou ainda - Era qualquer coisa de muito difícil para toda a Europa. A Europa estava dividida e eu prefiro dizer que, agora, estamos unidos, tentando fazer o nosso melhor para estabilizar tanto quanto possível o Iraque e a região».

Há três anos, Bush, Blair e Aznar comprometeram-se a «aprovar uma administração apropriada para o período do pós-conflito no Iraque», assegurando que «toda a presença militar» seria «temporária» e destinada a «encorajar a segurança e a supressão das armas de destruição maciça».

Diário Digital / Lusa

19-03-2006 22:39:00

**************************

É bom saber, mesmo passados três anos, que tinha razão (eu e muitas outras pessoas) para nos manifestarmos nas ruas face à vergonha do nosso Governo embarcar na história americana das armas de destruição em massa.

E, pior de tudo, é sentir que essa razão que nos acompanhava e que não chegou à compreensão de vários líderes políticos europeus (sim, porque do americano nunca esperei nada que não fosse a total ignorância e desprezo por tudo o que não responda aos seus ideais bacocos e corporativistas), levou à morte de milhares de pessoas e ao sofrimento de muitas mais. No meio de tudo isso, a destruição e pilhagem de património cultural da maior importância para o mundo e a criação de um precedente assustador para o futuro. Que mundo é este, afinal?

publicado por ladoc às 12:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
blogs SAPO
.subscrever feeds