É proibida a entrada a quem não andar espantado de existir.
.posts recentes

. Mais outra sugestão music...

. Sugestões musicais

. Sugestão musical

. São quatro anos, afinal

. Não existo.

. Vicky Cristina Barcelona:...

. Momentos de felicidade

. uma sugestão para ler

. EU VOU!!!

. Kafka

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Junho 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Setembro 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.pesquisar
 
.Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
.tags

. todas as tags

Quarta-feira, 12 de Março de 2008
Kafka


Faces ocultas que se revelam, mas apenas por partes. Nunca mostramos totalmente quem realmente somos, mesmo para nós próprios.
Temos medo. Falta-nos tempo. Somos ignorantes nas artes do autoconhecimento. Preferimos olhar e criticar os demais. Estamos tão ocupados no dia-a-dia que nos esquecemos de pensar no importante. Optamos por não pensar, aproveitando as pausas dos afazeres diários para desligar. Ou para nos ligarmos, mas apenas a fontes de informação. Viciamo-nos na recepção de toda essa informação, que nos entope, nos põe dormentes e nos aliena da verdadeira realidade.
Juntamos todas estas alternativas, ou agrupamo-las periodicamente.
Perdemos a noção da riqueza dos nossos sentidos, e quando assistimos a fenómenos da Natureza – claro que perfeitamente naturais – ficamos embasbacados, por estarmos habituados a um certo torpor nos nossos cinco sentidos.
No entanto, tem algo de conforto, esta dormência; uma espécie de droga, que nos permite passar (mais) um dia sem precisarmos de de nos expor, mantendo as nossas faces ocultas. Através da criação de outras, ou apenas passando a ser mais um sem-rosto na multidão.
tags:
publicado por ladoc às 13:49
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De nOgS a 13 de Março de 2008 às 15:31
O quê? Onde? quem?
Perdoa-me... Perdi-me (de mim) ao olhar para a foto.

Beijo

Sou quem sou, apesar de não saber quem sou...

De DN a 14 de Maio de 2008 às 22:36
so nao mostra quem é quem se preocupa em esconder, e, ainda assim, as traiçoes sao esquinas..
ver sera outro problema.. problema qd nao nos queremos enfrentar nos outros

a teoria das faces a faces continua misterio para mim..
mas pensar demais doi.. nao deve ser bom, se natural for..

na dormencia, a minha culpa nessa multidao, porque, nao conseguindo ignorar esses sentidos que chamam, esta vida estupida exige, leva.nos nessa torrente de "informaçao".. cada segundo sao mais mil que nos exigem saber..
De David a 24 de Maio de 2008 às 02:12
Acabei o "Stranger in a strange land". E tinhas razão: gostei muito. Em muitas coisas ele verbalizou algo que eu sinto/penso hà muito tempo :)

Obrigado pela dica...

Grande abraço
De ladoc a 9 de Junho de 2008 às 15:11
De nada! ;) É um livro que tenho de reler, também. Agora, depois de reler "A Imortalidade" e o "Ensaio Sobre a Cegueira", parece que me mordeu o bichinho da releitura. :)

Grande abraço
De Juliana a 8 de Junho de 2008 às 03:50
Acabei de encontrar seu blog, ao procurar, no google, por blogs que tenham relação com Kafka e me deparei, logo "de cara" com essa postagem muito autêntica. Muito todos nós.

Posso te adicionar? Ou seu blog é mais para exposição de idéias e, não tanto, para troca de palavras?

Aguardo resposta...

Cordialmente, Juliana.
De ladoc a 9 de Junho de 2008 às 15:12
Podes adicionar, sim. Este blog serve para ambas as opções que referiste, e mais alguma que venha a surgir. :)

Comentar post

blogs SAPO
.subscrever feeds